Os 10 momentos mais marcantes para o Aerosmith em 2016

Não é o Aerosmith se, ao falarmos da banda, não mencionarmos as idas e vindas, as brigas e os desentendimentos. Depois de várias crises que já separaram o grupo algumas vezes, Steven, Joe, Brad, Tom e Joey parecem ter entendido que as diferenças existem e sempre estarão lá, mas que eles são muito melhores juntos do que separados. 2016 foi mais um ano em que o Aerosmith foi posto à prova perante a mídia, os fãs e os críticos. No entanto, eles saíram, mais uma vez, vitoriosos dos conflitos e problemas internos, mostrando o porquê de serem a maior banda da história da América.
Sendo assim, nós do Rock Your Wings decidimos juntar aqui os 10 momentos mais marcantes e definitivos deste último ano para a banda. É claro que eles só reuniram-se de verdade pelo final de 2016, mas iremos destacar, também, o que de melhor aconteceu em suas carreiras solo e como isso afetou ou não o grupo como um todo. Dá só uma olhada:

10. Steven Tyler no comercial do Superbowl

Começamos 2016 com mais uma empreitada do corajoso vocalista do Aerosmith, que já havia anunciado em 2015 estar trabalhando em um álbum country (mais disso a seguir). Com os olhos curiosos da mídia e da crítica sobre Tyler, ele embarcou em uma série de aparições e apresentações para manter-se sob os holofotes. Uma dessas oportunidades foi participar do principal comercial do Superbowl deste ano.
Para quem não sabe, o Superbowl é o maior evento esportivo do mundo – e com o minuto de comercial mais caro da história da televisão. Neste ano, a empresa de doces Skittles foi a responsável por fazer o criativo vídeo promocional que foi ao ar durante a pausa no jogo de futebol americano. Quem eles escolheram para estrelar? Isso mesmo, o Demon of Screamin’! A parceria ainda rendeu outro comercial, tão animado quanto.

 

09. A inauguração dos cafés de Joey Kramer

Enquanto estava longe do Aerosmith, Joey continuou na linha de empresário. Ele abriu a primeira unidade comercial exclusiva de sua marca de café, a Rockin’ & Roastin’, em janeiro, tudo com direito a um show exclusivo na inauguração. Kramer, é claro, estava na bateria, enquanto os amigos da James Montgomery Band tomavam conta dos outros instrumentos. A segunda unidade veio julho, com ampla divulgação da mídia.

 

08. Tom Hamilton tocando com o Thin Lizzy

Tom Hamilton também não ficou parado durante o hiato dos Bad Boys from Boston. Além de continuar com a linha de bonecos eróticos em sua loja online, ele também viajou para o continente europeu para tocar com a atual formação do Thin Lizzy, na Alemanha. Hamilton foi o escolhido pela banda para tomar conta do baixo durante a turnê de reunião do grupo, que já pensa em retornar aos palcos mais vezes com o nosso Mr. Sweet Emotion.

 

07. O lançamento do novo álbum de Whitford/St. Holmes

Depois do primeiro álbum do projeto Whitford/St. Holmes, lançado há mais de 30 anos, Brad e Derek juntaram-se a outros músicos, gravaram e lançaram, tudo em um curto espaço de tempo, o apropriadamente nomeado Reunion. O trabalho conta com 9 novas faixas de hard rock pesado, algo que grande parcela dos fãs do Aerosmith e do Ted Nugent vêm pedindo há anos. Foi um presente para aqueles que esperavam um som parecido.
Junto do novo álbum, vieram algumas boas surpresas: uma turnê com o Whitesnake e participações especiais nos shows de divulgação (como a de Slash, por exemplo). E agora não parece que a dupla vai deixar o projeto de lado tão cedo.

 

06. A turnê mundial do Hollywood Vampires

Quando o supergrupo Hollywood Vampires foi formado e anunciado para o Rock in Rio do ano passado, todos acharam que isso seria algo único, que poderia ser visto apenas uma vez. E era o que Alice Cooper, Joe Perry e Johnny Depp achavam, no início, visto que a agenda de todos eles – especialmente a de Depp, que foca em sua carreira de ator – é mais do que movimentada. Felizmente, o universo conspirou a favor dos fãs e fez possível uma turnê mundial da banda.
Começando como uma das atrações principais do Rock in Rio Lisboa, o grupo embarcou em uma bem sucedida (e extensa) tour pela Europa, passando por países como Alemanha, Suécia e Dinamarca. Quando chegou a vez dos shows americanos, no entanto, um imprevisto chocou os fãs e fez muita gente passar a noite sem dormir…

 

05. O problema de saúde de Joe Perry

Os momentos marcantes não são, necessariamente, feitos apenas de bons acontecimentos. Em um ano que nos levou David Bowie, Prince e George Michael, qualquer coisa que mexa com a saúde de nossos ídolos é algo assustador. Em julho, durante um show da turnê do Hollywood Vampires em Brooklyn, Nova York, Joe Perry passou mal, desmaiou e foi levado em condições críticas ao Coney Island Hospital. Informações preliminares diziam que o guitarrista havia sofrido uma para cardíaca.
Ele foi estabilizado e transferido de hospital, mas o susto já havia deixado os fãs paralisados. Mais tarde naquela semana, foi anunciado que o Hollywood Vampires continuaria a turnê e, ainda no mesmo mês, a versão oficial dos fatos foi liberada: Joe sofreu de exaustão e desidratação, não de uma parada cardíaca. Centenas de pessoas mandaram seus desejos de melhoras a Joe pela internet, inclusive muitos artistas e músicos.
Felizmente, nosso Toxic Twin aprendeu a combater esses imprevistos. Ele voltou aos palcos a tempo de performar nos últimos dois shows da turnê, tocando melhor que nunca! Com tanta energia positiva que foi enviada a ele, não poderia ser diferente, não é mesmo? E que notícias como essa não se repitam neste novo ano!

 

04. O lançamento do CD country de Steven Tyler

Quando Steven Tyler anunciou, em 2015, que iria lançar um álbum solo country, muitas sobrancelhas foram levantadas. Ninguém entendia ao certo o porquê da lenda do rock querer envolver-se com esse estilo musical. Seja lá qual era a intenção de Steven, o cantor conseguiu mesclar suas já marcantes características musicais com o country pop que é tão proeminente nos Estados Unidos atualmente. We’re All Somebody from Somewhere foi oficialmente lançado em 15 de julho com 4 singles destacando-o no mercado: Love Is Your Name, Red, White & You, We’re All Somebody from Somewhere e Only Heaven.
O álbum recebeu críticas mistas. A maioria dos especialistas disseram que tem muita coisa boa a se aproveitar neste trabalho e que Tyler consegue ser um camaleão, se dando bem em diferentes estilos musicais. O fato é que os fãs do Demon of Screamin’ ficam felizes pelo vocalista, mesmo com quase 70 anos de idade, continuar produzindo coisas novas, assim como Joe Perry e Brad Whitford. Mesmo sem o restante do Aerosmith envolvido, é ótimo ter novidades para se ouvir.

 

03. Steven Tyler sendo reconhecido pela ONU

Steven Tyler é aquela pessoa que poderia muito bem ser intocável. Com quase 50 anos de carreira, ele tornou-se uma lenda da música, é uma das vozes mais reconhecidas do planeta, serviu de inspiração para diversas gerações e, é claro, é um dos músicos mais bem sucedidos da história – entrando, inclusive, no top 10 dos mais ricos do ramo. Mesmo assim, quando em turnê, faz questão de atender fãs que esperam na frente do hotel, leva deficientes físicos para verem shows do palco, toca com músicos de rua ao redor do mundo e contribui com a caridade.
Não é de hoje que Steven ajuda os necessitados. Todo final de ano, ele pode ser visto distribuindo sopa para moradores de rua. Ele também fez parte dos festivais que arrecadaram dinheiro para ajudar as vítimas do atentado ao World Trade Center, em 2001, à maratona de Boston, em 2013, e aos que ficaram sem um lar durante a passagem do furacão Sandy pelos Estados Unidos, em 2012 – nesses 3 últimos, ao lado do restante do Aerosmith. Uma vontade que Tyler sempre teve era a de fundar uma organização que ajudasse meninas e mulheres que, de alguma forma, foram abusadas. Foi assim que nasceu a Janie’s Fund, inspirada na canção Janie’s Got a Gun (Pump, 1989), em novembro de 2015. Desde então, Steven fez muitos eventos para divulgar e pedir ajuda dos fãs para manter a fundação de pé – inclusive, colocou o seu carro de luxo em leilão, como todo o dinheiro adquirido sendo voltado à ONG.
A ONU (Organização das Nações Unidas) reconheceu os esforços do cantor para tornar o mundo um lugar melhor e, por isso, o escolheu para receber o prêmio humanitário de 2016, uma das maiores honrarias do mundo. É de dar orgulho ou não é?

 

02. Shows realizados na América do Sul

Não é necessário repetir o que já falamos aqui várias vezes, mas faremos isso mesmo assim: os shows do Aerosmith em Porto Alegre, São Paulo e Recife nesse ano ficarão marcados na história como três das melhores apresentações que os Bad Boys from Boston já fizeram por aqui. Mais animados do que nunca – talvez porque não se reunissem há mais de ano, eles detonaram nas três capitais com os melhores setlists de toda a turnê (talvez os melhores setlists de todas as passagens deles pelo Brasil). Com Kings and Queens (Draw the Line, 1977), Crazy (Get a Grip, 1993), Monkey on My Back (Pump, 1989) e Chip Away the Stone (Gems, 1988), podemos finalmente dizer que fomos presenteados com raridades. Não podemos deixar de citar, é claro, os outros shows pela América do Sul, onde Movin’ Out e Walkin’ the Dog (Aerosmith, 1973) também fizeram aparições.
Tocando em estádios lotados e arenas enormes, o grupo provou, mais uma vez, da insanidade dos fãs sul americanos. Tudo isso sem mencionar a interação que não foi vista pelas câmeras: pessoas que tiveram a oportunidade de assistir as apresentações do pit, de bater uma foto com o quinteto ou conseguir um autógrafo para tatuar na pele e eternizar o momento. Sem dúvida alguma, esse giro mostrou a eles que os amamos mais do que nunca e que a Blue Army cresce de geração para geração (afinal de contas, não conseguimos achar gente com mais de 30 nas grades do palco!)

 

01. O anúncio oficial da turnê de despedida

O Rock Your Wings foi o primeiro veículo a noticiar a vinda do Aerosmith ao Brasil em 2016, isso lá no começo de 2015. Também fomos os primeiros a trazer a informação de que os Bad Boys from Boston estavam planejando uma turnê de despedida. Depois de e muito vai e vem, membros negando e membros afirmando, produtoras anunciando a despedida antes da hora, além de muita informação errada encontrada em lugares pouco confiáveis na internet, o giro de adeus finalmente foi anunciado. Ele começa em maio de 2017 na Europa, e deve se estender por vários anos em uma turnê mundial.
Antes de entrar em desespero, tenha calma! Há uma coisa a levar em consideração: mesmo que seja anunciada pela própria banda como a “turnê de despedida”, ainda não está clara a intenção de Steven, Joe, Tom, Brad e Joey. O Aerosmith não vai acabar, pelo menos não nos próximos anos, enquanto ainda estarão fazendo shows. Segundo Tyler, que explicou o sentido por trás da Aero-Vederci Baby!, “diz mas, ao mesmo tempo, não diz [que é uma despedida]. É como se fosse um ‘olá, adeus'”.
Então vamos aproveitar as nossas lendas enquanto podemos e ir ao máximo de shows que tivemos a oportunidade. Afinal de contas, uma hora ou outra o inevitável vai chegar. Pode ser uma longa estrada até lá, mas vamos manter as esperanças – e a música – vivas em nossos corações!

 

Gostou do nosso top 10? Quais outros momentos você acha que se encaixam nessa lista? Comente e compartilhe com os seus amigos. Nos vemos na próxima, até mais!

Comentários

comentário(s)

Igor Lino
Jornalista, já trabalhou na revista Exame PME, da Editora Abril, e atualmente está no Google. Apaixonado por música, livros e filmes.
Recommended Posts
Entre em contato conosco

Entre em contato conosco e responderemos o mais breve possível.

Not readable? Change text. captcha txt